Páginas

27 de fev de 2013

Claro assim....



"Você é o que eu vejo!
E eu que nem gosto de chuva, o que peço então?
 Limpa, limpa! Chove, chove! Lava, deixa claro! Derrete o açúcar pra que eu te veja melhor!
Se faça pleno! Seja! Me veja!
Troco as lentes. Ajusto o foco. Busco um abrigo.
 Volto a te ver quando a chuva passar..."

Claudia Lima

25 de nov de 2012

Ronda - Andaluzia - Rota dos Pueblos Blancos - Espanha




A vida pode nascer nos lugares mais improváveis. Tem força própria.
Raiz que se aprofunda. Teimosa. E se pendura . E se agarra. Resiste aos ventos fortes. Galho seco que ainda faz brotar. Tem alma vitoriosa.
Espicha-se. Levanta os braços. \o/
Busca o alto para se livrar do abismo que nos circunda.
Quer a luz que encanta a superfície!

Claudia Lima

Cidade de Ronda com a sombra da ponte sobre o precipício.



Ronda é uma paisagem impressionante de uma cidade pendurada sobre rochedos, circulando um grande precipício chamado El Tajo. 

A ponte foi construída de 1751 a 1793 com 120 metros de altura a partir da base do canyon, ligando a cidade nova à cidade velha.

Canyon El Tajo e o Hotel Parador

Uma das visões mais impactantes da Espanha que conheci.

É uma das cidades mais antigas da Espanha. Historicamente super bem conservada e acolhedora com seus visitantes.

Cheguei de trem apartir de Granada em 2,30horas pela rota dos Pueblos Blancos, região de Andaluzia, uma belíssima estrada repleta de campos de oliveiras, com pequenas cidades e povoados com suas paredes pintadas de branco  que se destacam no verde da paisagem.

Caminhei sob vários céus por aqui.

Céu negro de chuva que carregava o peso de histórias de lutas de povos, árabes, romanos, caça às bruxas da inquisição que deixou sua marca sob a ponte.
céu de chuva deixando o cenário ainda mais dramático

Céu limpo, quando o tempo parece esquecer o passado, deixando para o vento a tarefa da limpeza, levando para longe o que a humanidade não precisaria viver, restando apenas esparsas nuvens de leveza no infinito azul.
Fiapos de algodão em rastro de rastelo.



Branco reluzente ao sol da Andaluzia em contraste com o céu azul!


Ruas estreitas e muradas. Lindos caminhos de pedra
Entardecer em Ronda

Banhos Árabes, uma construção quase intacta do séc  XIII e XIV. Um vídeo explica como funcionava  a dinâmica do lugar. Arquitetura em teto pontilhado de estrelas!



 Plaza de Toros - Ronda. O local de touradas mais antigo de toda Espanha. Continua vivo de 1785 até hoje, infelizmente.... :(



Em Ronda, tudo se visita à pé. Ótimos restaurantes com vistas incríveis e lojinhas deliciosas! Se tiver oportunidade, fique no Hotel Parador. Vale a pena pelas vistas e pelo charme!
Vista da varanda do quarto.  Tão bom acordar assim!...

Todas as fotos de meu arquivo pessoal.


17 de jul de 2012

Sol de Inverno



O sol passa rápido pela varanda 34, o bastante apenas para se tirar o casaco e completar a leitura de 02 capítulos de um livro. 
Cumpriu sua tarefa. Segue adiante iluminando o dia, arrastando seu calor espreguiçadeiro, desejando bom dia... 
Outras varandas, outras janelas, outras vidas.... 


9 de jul de 2012

Ponte do Brooklyn - NY


Em NY me maravilho com a Ponte do Brooklyn, ligando os distritos de Manhattan e Brooklyn.


Caminhar por aqui é sentir-se num cenário vivo, dividindo espaço com bicicletas, pessoas praticando corrida e personagens de filmes que passaram por aqui. 
Mãos que se entrelaçaram e fizeram juntas a travessia. Desencontros. Caminhadas solitárias dos que atravessaram sós. Silêncios. Cenas de cinema.

Pontes foram feitas para encurtar o caminho, permitir a chegada, diminuir a distância. Unem povos. Vencem obstáculos. Possibilitam o improvável. São mãos estendidas, as minhas, as suas, no caminho que se faz para o coração de alguém.


Algumas pontes são sólidas, consolidadas em bases seguras. Resistem às bravuras do tempo e às envergaduras do destino.


Outras se estabelecem tímidas e frágeis. Cacos colados. Histórias refeitas. Se sustentam por um fio. Vulneráveis , balançam por um sopro, um respiro a mais de cansaço, uma palavra desajeitada , um gesto fora do lugar. Roupas no varal em dias de vento. É onde a gente abre os braços e equilibra. Brinca de circo. Ajusta a passada. Pisa em ovos. 

E mesmo que demande mais cuidado, seguimos a travessia, amorosamente, porque sob a ponte, a vida corre ligeira acompanhando o curso do rio. 




Neva delicadamente em NY

Foto: Ari Silva


Apresso o passo. Um céu cinza de chuva.  Estátua da Liberdade lá, encoberta de brumas .  A travessia ficará para uma próxima vez. Sim, porque esta é minha primeira visita numa cidade que merece muitas vindas!

 Avistei de longe o que pude ver. Embaçou a vista. Pequeninos grãos suaves e frágeis dançando no vento. Como uma cortina que se abre tecida de bolinhas brancas. Quase imperceptíveis. Não aparecem na foto. Tocam meu rosto. Derretem nas mãos.

Neva delicadamente em NY.

As delicadezas são assim em nossa vida. Chegam quase sem  fazer  alarde. Um toque. Um gesto. Um tom. Uma carícia. Trazem leveza. Enfeitam a vida. Há de se estar atento para que se possa notar.

Me dizem que a neve é só uma idéia romântica que flutua, embeleza. Pode ser que na vida prática, no dia a dia de quem trabalha, a neve não funcione assim. Mas NY para mim é apenas um passeio e a neve é um delicado presente. Carrego a alma de um país ensolarado que se maravilha neste tão esperado momento.

Os amigos viajantes nesse dia não caminhavam juntos. Cada um buscava seus afazeres. NY é uma alucinante cidade de passeios e compras. Os amigos se telefonaram: “ Corre lá fora para ver”. 
Ah, ...onde está você meu doce amor, que não aqui,  para festejar comigo?

Espalhando mensagens de texto no celular, chegam respostas de      “ Vivaaaa!!!”

Neva delicadamente em NY.

5 de jun de 2012

Suíça: a encantadora cidade de Luzern


Cansou das lutas. Se deixou vencer. Agora se recolhe como um bicho ferido num canto, no seu canto. Não quer conversa.
Não fica triste. Não desista. Vai passar!
Amanhã será melhor. Sim, será.
Noite dormida tem suas magias. Recupera as forças. Dizem que no sono nos chegam as idéias. Clareira de resoluções. Um sopro. Uma inspiração. Folhas frescas de hortelã. Coisas do divino, de quem acredita em anjos.
Amanhã nada parecerá tão difícil. Algo já foi transformado.
Amanhã saberá fazer melhor.
Cuidará para que algo em si mesmo, seja a cada dia, um tanto melhor.


O Monumento do Leão , esculpido em 1820, é uma homenagem aos Guardas Suíços que foram massacrados em 1792 durante a Revolução Francesa.

A escultura é grandiosa. Profunda tristeza talhada num pequeno penhasco na cidade de Luzern na Suíça.





Chapel Bridge é sua atração principal – uma charmosa ponte de madeira construída em 1.333 adornada de jardineiras floridas.




Mais sobre Suiça, a encantadora Lucerna e os Alpes:

Escritinhos dá as dicas:
http://escritinhospelomundo.blogspot.com.br/p/dicas.html